🔔 Atenção! Early Birds -10% desconto em todos os calendários do advento*: ADVENT_SHOP 🔔

Tu perguntas - O nosso CEO Piran responde

A sustentabilidade na KoRo

A KoRo é realmente sustentável?

Porque é que  KoRo usa embalagens de plástico? 
O que é que a KoRo faz para ajudar o planeta? 
Porque é que não é tudo orgânico na KoRo?

Perguntamos-te o que interessa mais sobre a sustentabilidade na KoRo - e depois questionámos o nosso CEO Piran. Aqui ele responde às perguntas mais populares de sustentabilidade. Vamos começar com o valores mais importantes que procuramos seguir com o nosso trabalho:

Na KoRo queremos...

Reduzir o lixo das embalagens

As nossas embalagens grandes são parte da nossa identidade. Nós só tornamos o comércio mais fácil e eficiente, como também poupamos muito lixo de embalagens comparando às embalagens de tamanho convencional. 

Cadeias de fornecedores otimizadas

Nós achamos: a maioria dos produtos tem demasiadas paragens entre o fornecedor e o consumidor final. É por isso que saltamos a maioria dessas etapas da cadeia de fornecimento (supply chain). 

Poupar comida 

O desperdício alimentar é um verdadeiro pecado ambiental. Aqui na KoRo, queremos combater este mal e salvar comida de ser deitada ao lixo. Em troca, oferecemos produtos que continuam a ser deliciosos, a preços ainda mais baixo!

As tuas perguntas sobre o tema fornecedores/produtores

Piran: Sabemos que a origem dos nossos produtos vos interessa muito e que, idealmente, esta deve ser escrita nos produtos. O facto de ainda não ser este o caso deve-se a um processo interno considerável. Os países de origem dos nossos produtos variam regularmente, dependendo de onde os nossos fornecedores se abastecem. Mudar um rótulo não é fácil e não é flexível com o nosso software actual. No entanto, já estamos a trabalhar para que a origem dos nossos produtos seja impressa nas etiquetas no futuro. Queremos mudar para um novo software no início de 2022, o que tornará possível alterar esta informação de forma flexível. Já podem ver toda a informação sobre a origem e a certificação biológica dos nossos produtos no nosso website.

Piran: Existem diferentes fornecedores com diferentes certificações, nós próprios somos certificados pela IFS (International Featured Standard). Trabalhamos principalmente com fornecedores que cumprem a norma GFSI (Global Food Safety Initiative), uma vez que esta é equivalente à IFS. Em casos excepcionais, porém, trabalhamos também com parceiros que não estão sujeitos à norma GFSI. Devido à nossa certificação, somos obrigados em tais casos a inspeccionar independentemente os agricultores não-certificados. Para este efeito, os fornecedores devem apresentar um conceito HACCP (análise de risco e pontos críticos de controlo), e nós também realizamos uma análise de risco. No conceito HACCP, os fornecedores indicam a sua avaliação de risco e o que fazem para reduzir os riscos. Por exemplo, um risco pode ser a fragmentação do vidro ao encher produtos em recipientes de vidro. Uma análise de risco do nosso lado pode incluir, por exemplo, inspecções ou testes laboratoriais directamente nas explorações agrícolas. Só este ano, realizámos 17 análises laboratoriais.

Piran: Em geral, perguntamos a todos os potenciais fornecedores se eles e os seus subfornecedores cumprem as normas mínimas de trabalho e as normas laborais fundamentais da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Ao fazê-lo, confiamos principalmente na confiança e honestidade. Não podemos garantir que as informações que nos são fornecidas pelo fornecedor sejam 100% corretas. A empresa certificadora do GFSI é responsável pela verificação da conformidade com as diretrizes de certificação. Existem determinados produtos que temos de comprar aos importadores, uma vez que não podemos comprar quantidades suficientes diretamente aos produtores. Nestes casos, os importadores têm todas as certificações necessárias, mas nós não temos uma visão a 100% das suas cadeias de abastecimento. A fim de evitar isto no futuro, estamos a lutar por canais de abastecimento ainda mais diretos e, como empresa, queremos ir ainda mais profundamente às origem das mercadorias, a fim de obter mais informações sobre as condições de crescimento no local. Um exemplo é a cadeia de abastecimento opaca para os cajus. O mercado é dominado por alguns crackers (processadores) de cajus muito grandes do Vietname que compram e abrem os cajus crus a preços muito baixos de África. Os exportadores são muito reservados sobre o processo exato de como o caju em bruto é rachado. Há já algum tempo que temos vindo a estudar cadeias de fornecimento alternativas e estamos a trabalhar no aprovisionamento de cajus biológicos a partir de projetos em África. Isto requer muito saber e paciência. No entanto, estes cajus serão muito mais caros devido à sua qualidade biológica e ao facto de contornarem grandes processadores. No futuro, queremos oferecer ambas as opções na nossa loja (biológica importada directamente de África e não biológica importada do Vietname), porque pensamos que todos devem ter acesso a alimentos de alta qualidade. Afinal de contas, não há diferença na qualidade dos produtos.

Piran: Queremos oferecer uma grande variedade de produtos e, portanto, também importar mercadorias com rotas de transporte mais longas. A nossa gama de produtos também depende em grande medida da vossa procura - afinal de contas, queremos oferecer o que desejam. O vosso comportamento de compra tem, portanto, uma influência significativa na nossa gama de produtos. No entanto, também tentamos oferecer alternativas com rotas de transporte curtas. Se isto é possível, depende do produto e do seu fornecedor. Para nós, a qualidade e o bom gosto estão em primeiro lugar. Para garantir isto, temos por vezes de recorrer a importações de países longínquos. Há também produtos que simplesmente não podem ser cultivados na UE, tais como mangas ou cocos. Mas, como sabem, dependemos de cadeias de abastecimento curtas que simplificam o comércio e, assim, poupam também em rotas e custos de transporte. Por exemplo, compramos os nossos produtos diretamente à empresa de entregas e os produtos são embalados lá, para chegarem ao nossos armazém prontos para vender.

As vossas perguntas sobre o tema embalagens

Piran: A nossa prioridade é que os produtos cheguem a vossa casa em segurança. A embalagem deve proteger bem os vossos alimentos; no jargão, isto é chamado "capacidade de barreira ótima". Se não for este o caso, o produto irá deteriorar-se mais rapidamente e, na pior das hipóteses, terá de o deitar fora. Um estudo de 2020 mostra que a embalagem ajuda frequentemente a reduzir o desperdício alimentar através da sua função protectora. Se for este o caso, o "benefício ambiental" dos resíduos evitados é normalmente 5 a 10 vezes superior ao "custo ambiental" da embalagem1. O nosso objetivo é, portanto, optimizar as nossas embalagens para uma segurança alimentar máxima e um prolongamento do prazo de validade mínimo. Em muitos casos, apenas as embalagens de plástico satisfazem este requisito. As nozes, por exemplo, são muito gordurosas e lubrificariam e danificariam as embalagens de papel num curto espaço de tempo. Ao contrário da sua má reputação, o plástico não é necessariamente a opção de embalagem menos sustentável. Na realidade, o plástico só se torna um perigo quando entra no ambiente. 90% dos nossos produtos são consumidos em casa e, consequentemente, acabam no lixo doméstico, o que significa que podem ser reciclados posteriormente. Neste caso, as embalagens feitas de uma combinação de papel e alumínio seriam muito mais difíceis de reciclar porque se trata de um material composto. Como se pode ver, esta é uma questão muito complexa em que temos de analisar atentamente todas as circunstâncias, a fim de encontrar a solução ótima. Em qualquer caso, podes ter a certeza de que utilizamos o mínimo possível de material de embalagem, também por razões de custo. Se quiseres saber mais sobre embalagem, ouve o nosso podcast KoRo. Aí discutimos todos os mitos e factos sobre embalagem no KoRo.

Piran: as nossas embalagens não são recicladas nem biodegradáveis. Como empresa alimentar, estamos, como podes imaginar, sujeitos a diretrizes rigorosas no que diz respeito à higiene e segurança das embalagens. Não podemos utilizar facilmente resíduos plásticos reciclados para embalagens em contacto com alimentos. No entanto, estamos também cientes do facto de que podemos analisar mais de perto o tema da reciclagem do plástico. Queremos continuar a perseguir esta ideia no futuro.

Piran: Para que as nossas embalagens satisfaçam as elevadas exigências da segurança alimentar, temos de trabalhar com materiais estáveis. Tanto a elasticidade para o transporte que poupa espaço como a rigidez para a proteção do produto são uma obrigação, a fim de garantir a longevidade da nossa embalagem. Para o conseguir, utilizamos uma combinação plástica de PE e PET. Como regra geral, apenas os monoplásticos podem ser 100% reciclados. O plástico composto só pode ser "reciclado" devido às suas propriedades - isto significa que o reprocessamento não corresponde à qualidade original e que ocorre uma desvalorização (por exemplo, são usados para fazer os pavimentos desportivos para parques infantis ou pavilhões desportivos).

Piran: Responder a esta pergunta não é assim tão fácil - se não impossível. Porque o termo sustentabilidade não é definido de forma uniforme. Que requisitos devem ser cumpridos pelas embalagens sustentáveis? Uma regra importante quando se trata de embalagens sustentáveis é que os materiais compostos (por exemplo, compósitos de papel e alumínio ou papel e plástico como os Tetrapacks) são muito difíceis de reciclar porque os materiais são colados uns aos outros. As embalagens feitas de mono-materiais são sempre mais fáceis de reciclar. Ao avaliar a sustentabilidade de uma embalagem, os fatores mais relevantes são o produto que esta contém e a vida útil da embalagem após o transporte. É evidente que cada embalagem tem as suas vantagens e defeitos. Embora o papel seja fácil de reciclar, geralmente não é suficientemente denso ou estável para os alimentos. As embalagens como o plástico, por outro lado, são muito leves e poupam custos de transporte. O vidro causa significativamente mais custos de transporte do que o plástico ou o papel, mas ainda tem um melhor desempenho em termos de avaliação do ciclo de vida quando usado durante muito tempo (estamos a falar de vidro reciclado até 30 vezes). A produção de latas de alumínio requer muita energia, mas a reciclabilidade do alumínio é melhor. Portanto, não há uma resposta final e abrangente para a embalagem mais sustentável. É muito mais importante ponderar as possíveis embalagens para cada produto e tomar decisões individuais, tendo em conta todos os fatores relevantes (incluindo a preservação da qualidade, segurança alimentar, custos e sustentabilidade).

Piran: Viver de forma sustentável não significa necessariamente viver sem plástico. O plástico é um material estável, leve e bem adaptado ao transporte de alimentos de A a B sem qualquer perda de qualidade - desde que a probabilidade de que acabe no ambiente seja muito baixa. Para nós, a segurança alimentar dos nossos produtos está claramente em primeiro plano. Não podemos embalar os nossos frutos secos apenas em papel, uma vez que são muito gordos e a embalagem pode ser facilmente danificada. As embalagens danificadas permitem a entrada de bactérias patogénicas nos alimentos; os seus produtos estragar-se-iam mais rapidamente e teria de deitar fora muitos alimentos. As embalagens plásticas que acabam no sistema regular de resíduos e podem ser recicladas podem, portanto, ser também um meio eficaz de evitar o desperdício alimentar. Queremos que os nossos produtos cheguem a sua casa sãos e salvos e frescos. Enquanto só pudermos garantir isto em embalagens de plástico, não podemos passar sem plástico.
Piran: Sabemos que existe um certo risco em comprar produtos em embalagens a granel que ainda não sabes se vais gostar. É por isso que também oferecemos uma seleção dos nossos produtos em pequenos formatos. Não somos dogmáticos quanto ao tamanho das nossas embalagens e queremos dar acesso aos nossos produtos, mesmo que não queiras comprar embalagens a granel. Os nossos snacks embalados individualmente são concebidos para serem levados para qualquer lado. Podes facilmente levá-los e apreciá-los onde quer que estejas. Levamos a sério o feedback da nossa comunidade sobre as nossas bolas energéticas embaladas individualmente e a "questionável" proteção extra. É por isso que já tentámos produzir as nossas bolas energéticas sem essa proteção, mas já tivemos muitas queixas sobre bolas energéticas esmagadas, óleo separado e muito mais. Já estamos a trabalhar numa solução melhor que nos permitirá embalar as bolas energéticas com menos desperdício. A propósito, as taças protetoras adicionais já são feitas de bagaço biodegradável (compostável).

As vossas perguntas sobre os nossos produtos

Piran: Não. Trabalhamos com cerca de 200 fornecedores na Alemanha, na Europa e fora da Europa. A origem de cada produto pode ser encontrada na página do produto no nosso website.

Piran: Os países produtores variam em função do produto. Procuramos produtos de todo o mundo e, em última análise, compramos de onde encontramos a melhor qualidade. As especificações exatas sobre origem e produção podem ser encontradas na respetiva página de detalhes do produto no nosso website.

Piran: Não. Apesar de uma grande parte dos nossos produtos já serem cultivados biologicamente ou certificados como biológicos, uma parte da nossa gama ainda não o é. Pode procurar quais os produtos especificamente certificados como biológicos no nosso website, introduzindo " biológico" no campo de pesquisa ou clicando num dos separadores, por exemplo, "pequeno-almoço", e depois filtrando para "biológico" nas propriedades. Isto irá mostrar-lhe todos os produtos biológicos desta categoria.

Piran: A principal razão para isto é simplesmente o sabor: testámos tanto as nozes convencionais como as biológicas para as manteigas de nozes que oferecemos na qualidade convencional. Ficámos mais convencidos com o sabor dos produtos convencionais. No caso das amêndoas, por exemplo, as amêndoas convencionais têm um sabor muito mais suave porque a sua área de cultivo é fora da Europa. Nas zonas de cultivo europeias (Itália, Portugal, Espanha), a proporção de amêndoas amargas é maior, responsáveis pelo sabor amargo devido aos vestígios de ácido prússico que contêm. Outra razão para não oferecer as nossas manteigas de nozes em qualidade biológica é a significativa diferença de preço. Enquanto nos mantivermos competitivos com produtos de qualidade biológica, oferecemo-los. Varia de produto para produto. Não somos uma empresa que apenas oferece produtos biológicos e queremos oferecer alimentos de alta qualidade para cada orçamento - é por isso que optamos pela opção convencional e, portanto, mais barata para alguns produtos.

Atualmente compramos cerca de 65% dos nossos produtos diretamente aos fabricantes ou produtores. Para os restantes 35%, trabalhamos com importadores e retalhistas.

Quanto menores forem as quantidades adquiridas, maior a probabilidade de termos de recorrer a grossistas ou importadores, uma vez que ainda não somos suficientemente grandes como empresa para nos abastecermos sempre diretamente do país de origem ou dos produtores. Os importadores, por exemplo, agrupam as quantidades e permitem assim um transporte eficiente a partir do país de origem, o que acaba por poupar emissões para a logística. Quando compramos produtos a grossistas, saltamos a etapa de impressão e desenho de embalagens, o que também poupa custos, distâncias de transporte e resíduos de embalagens. No entanto, já obtemos alguns dos nossos produtos diretamente, por exemplo as nossas mangas de agricultores privados no Burkina Faso. A proporção de produtos que compramos diretamente aos produtores ou fabricantes aumenta todos os anos com o nosso tamanho e o volume que compramos, e com isso a nossa transparência dentro das cadeias de fornecimento. O nosso objetivo declarado é verticalizar todos os produtos até à sua origem e assim criar a máxima transparência.


Piran: Sabemos que muitos potenciais clientes estão muito relutantes em encomendar grandes pacotes online sem poder testar os produtos primeiro. É por isso que queríamos criar uma oportunidade de conhecer KoRo offline (muitas vezes em formatos mais pequenos) nas lojas de retalho. Embalagens e snacks mais pequenos, bem como as nossas próprias criações, como o creme de tâmaras e de nozes, são muito adequados para isso. Desta forma, os nossos clientes podem primeiro experimentar o que é a KoRo num formato pequeno antes de encomendarem pacotes grandes online. E isso pode, por vezes, ser a alternativa mais sustentável. Antes de um único creme de tâmara e de hazelnut chegar a sua casa, entregamos os frascos em bandejas grandes ao local onde vai de qualquer forma às compras. Menos rotas de entrega significa menos emissões de CO2 nocivas para o clima.


Traduzido com a versão gratuita do tradutor - www.DeepL.com/Translator

Piran: Não queremos dizer a ninguém o que comprar ou como comer. A nossa oferta  inclui, portanto, uma vasta gama de produtos veganos - mas também não veganos. O nosso objetivo é oferecer produtos de alta qualidade a preços justos.

Piran: Em 2021, poupámos 30-50 toneladas de plástico, utilizando embalagens a granel e a saltar etapas de comércio em comparação com o comércio a retalho. Para 2022, planeamos poupar mais de 100 toneladas de plástico. Ao encurtar as rotas de transporte e saltar as fases de comércio para a maioria dos nossos produtos, geramos menos emissões CO₂. O material de enchimento das nossas embalagens é feito de materiais reciclados e estamos constantemente a avaliar opções alternativas de embalagem para os nossos produtos. Oferecemos uma gama quase exclusivamente vegetariana/vegan e estaremos a equipar as primeiras estações não embaladas em parceiros retalhistas individuais com os nossos produtos a partir de 2022. Contudo, não queremos comercializar-nos como um retalhista sustentável. Queremos disponibilizar os nossos produtos a muitos consumidores a preços justos e estamos convencidos de que a venda de muitos produtos com um pequeno aspeto sustentável pode também ter um impacto sustentável. Para nós, mais sustentabilidade significa acima de tudo criar transparência radical nas nossas ações e comunicar abertamente decisões internas. Contudo, também temos sempre ouvidos abertos para críticas, ideias ou comentários e queremos elaborar uma nova visão para a KoRo em conjunto com todos os funcionários este ano.